• Elisa Lempek

Saiba quais são os transtornos psíquicos mais comuns no pós-parto

Atualizado: 12 de Jun de 2018

O pós-parto é um período onde aumenta a possibilidade da ocorrência de transtornos psíquicos na vida mulher e isso se deve a diferentes fatores, entre eles: as alterações biológicas, psicológicas e sociais, além do histórico de saúde mental e o contexto atual de cada mulher após o nascimento do bebê.


Conhecer os transtornos psíquicos mais comuns no pós-parto pode ajudar a identificar o início dos sintomas para buscar ajuda especializada (psicólogo e/ou psiquiatra), caso necessário.


Baby blues: entre os quadros puerperais, é o que apresenta a forma mais leve e pode ocorrer em 50% a 85% das puérperas. Os sintomas iniciam já nos primeiros dias após o nascimento do bebê e podem durar até duas ou três semanas, acabando espontaneamente. Entre os sintomas do baby blues, podem ocorrer choro com facilidade (com ou sem relação com tristeza); sensibilidade aumentada; irritabilidade e comportamento hostil em relação a familiares e acompanhantes; insegurança; sensação de perda da autonomia e da individualidade; exaustão física e mental; entre outros. Não há necessidade de intervenção farmacológica neste quadro, mas compreensão, não julgamento, apoio e suporte emocional adequado.


Depressão pós-parto: ocorre com uma prevalência de 10% a 20% das puérperas e pode ser qualquer episódio depressivo que ocorra nos meses que seguem após o nascimento do bebê, até um ano após o parto. Entre os sintomas, podem ocorrer tristeza ou melancolia; perda da vitalidade, onde se observa perda de prazer e diminuição de interesse nas atividades, inclusive nas atividades que envolvem o cuidado consigo mesma e/ou com o bebê; alteração no sono e apetite; sensação de fadiga, exaustão, inutilidade ou culpa excessiva; dificuldade de concentração/memória e para tomar decisões; pode haver também pensamentos recorrentes sobre morte ou suicídio. O tratamento para a depressão ocorre através de psicoterapia e, em alguns casos, de medicação. Atualmente há medicações eficazes e seguras no que diz respeito ao aleitamento materno, assim como para a remissão dos sintomas. A mãe precisa de muito apoio da família tanto para sua própria recuperação quanto para dar suporte na realização dos cuidados ao bebê.


Transtornos ansiosos: o pós parto tem sido considerado um período de risco para início ou aumento de transtornos ansiosos.

Transtorno de ansiedade generalizada: caracteriza-se pela presença de ansiedade ou preocupações excessivas consigo e com o bebê;

Transtorno obsessivo-compulsivo: pensamentos recorrentes, intrusivos e que não são reconhecidos como pensamentos que se deseja ter (obsessões), mas que causam grande ansiedade e desconforto. O conteúdo das obsessões e compulsões no pós-parto comumente envolve o bebê. São frequentes pensamentos obsessivos agressivos contra o recém-nascido como medo de deixar o bebê cair no chão, impulso de jogar água fervendo sobre o bebê, de jogá-lo contra a parede, pensamento intrusivo de colocar o bebê no forno, imagens recorrentes do bebê morrendo sufocado no berço, sendo picado por insetos ou sofrendo um acidente, por exemplo. É importante destacar que a ocorrência de pensamentos obsessivos agressivos contra o bebê NÃO está relacionada com comportamentos infanticidas. Pensamentos obsessivos são intrusivos, não reconhecidos como pensamentos que se esperaria ter, causam ansiedade e desconforto e a pessoa tenta resistir a eles, ignorá-los ou neutralizá-los.

Fobia social: caracteriza-se pelo medo de estar em situações onde outras pessoas possam estar observando a relação da mãe com o bebê.


Entre os transtornos ansiosos no pós parto, podem ocorrer ainda outros quadros que merecem uma atenção especial e acompanhamento especializado, como quadros de Pânico ou Estresse Pós-Traumático. Os transtornos ansiosos no pós parto podem ser confundidos com a depressão pós-parto ou aparecerem conjuntamente a um quadro depressivo, por isso a avaliação deve ser realizada por um profissional que trabalhe com saúde mental e também conheça as peculiaridades do puerpério.


Psicose pós parto: é o transtorno mental mais grave que pode ocorrer no pós parto. Ocorre entre 0,1% a 0,2% e tem início rápido com sintomas característicos já nos primeiros dias até duas semanas após o parto. Entre os sintomas, podem haver irritabilidade; agitação; insônia; delírios e idéias persecutórias; alucinações e comportamento desorganizado. O quadro psicótico no pós-parto é uma situação de risco para a mãe e o bebê e exige supervisão constante para ambos. O tratamento normalmente necessita de internação hospitalar, além de acompanhamento psicoterapêutico e psiquiátrico. O apoio familiar é fundamental para dar suporte ao bebê na ausência temporária da mãe, assim como para ajudar a mãe na retomada de seu papel, e na construção do vínculo com o bebê, quando houver condições para essa retomada.


O objetivo deste texto é contribuir com informações sobre a possibilidade de ocorrência destes quadros psíquicos no pós-parto para que se busque ajuda logo no início dos sintomas a fim de evitar o agravamento dos mesmos, assim como amenizar o sofrimento causado por eles. Atualmente, há diversos tratamentos disponíveis e com altos índices de melhora, possibilitando uma melhor qualidade de vida emocional para a mãe, o bebê e a família.


Com carinho, Elisa Lempek


7 visualizações

© 2018 por @lsdesignepapelaria

Seguir

  • Instagram ícone social